Daniel Edler Duarte*

Poucos projetos de segurança pública capturaram o imaginário carioca e nutriram tantas controvérsias como as Unidades de Polícia Pacificadora. Se a proposta de ocupação de territórios sob domínio do crime organizado ganhou rapidamente status de boa-prática policial, sendo apontada como possível modelo para redução da violência em outras metrópoles do Sul Global, também não demoraram a surgir denúncias contra seu caráter militaresco e contra o foco da “doutrina da pacificação” em áreas de especial interesse para o capital privado. Continuar lendo “Sobre o fim das UPPs”