Busca

ESCUTA.

Tag

Educação

Uma carta pela educação

André Rodrigues*

No céu cinzento sob o astro mudo

Batendo as asas pela noite calada

Vêm em bandos com pés de veludo

Chupar o sangue fresco da manada Continuar lendo “Uma carta pela educação”

Anúncios

Larguem os cestos

Rafael Betencourt*

“ Infelizes as crianças que sempre só comeram cerejas dos cestos e não conheceram a alegria vivificante de quem se agarra aos ramos e colher conforme sua necessidade! Continuar lendo “Larguem os cestos”

Escola sem medo

Gabriela Theophilo*

Desde o surgimento do movimento “Escola sem partido”, em 2004, quando ainda parecia uma ameaça remota e com poucas chances de sucesso, há especialistas na área de educação pensando e escrevendo sobre as suas possíveis origens, conexões políticas e repercussões sociais. Continuar lendo “Escola sem medo”

Sobre a universidade pública (I). Cobrança de mensalidades: O que se ganha?

Maria Abreu*

 

Na Feira Literária de Parati deste ano, Diva Guimarães, professora de 77 anos, fez muita gente se emocionar ao narrar sua trajetória de vida, expondo a profundidade do racismo no país e, também, a importância de uma educação pública e laica como rota de sobrevivência e de mudança de destinos pessoais em um mundo de desigualdades, em que o Brasil se destaca entre os países mais desiguais. Continuar lendo “Sobre a universidade pública (I). Cobrança de mensalidades: O que se ganha?”

“Velhos escombros sobre uma Base nova” ou “Réquiem para uma Base insepulta”

Simone Meucci*

Calo-me, espero, decifro. / As coisas talvez melhorem. / São tão fortes as coisas! / Mas eu não sou as coisas e me revolto. / Tenho palavras em mim buscando canal / são roucas e duras / irritadas, enérgicas / comprimidas há tanto tempo, / perderam o sentido, apenas querem explodir. Carlos Drummond de Andrade – Nosso tempo, 1945 (A Rosa do Povo)

 

Nesse período de instabilidade institucional em que políticas públicas estão sob ataque, quando fazemos uso da palavra, ficamos, na melhor das hipóteses, entre a explosão e a análise. Na pior, não conseguimos explodir nem analisar. Continuar lendo ““Velhos escombros sobre uma Base nova” ou “Réquiem para uma Base insepulta””

WordPress.com.

Acima ↑