Busca

ESCUTA.

Tag

Alessandra Maia

Da nossa humanidade*

Alessandra Maia**

“Você gostaria que fizessem isso com você? Se a resposta é não, logo – então – não o faça. ”  Essa foi uma expressão da minha infância, que me formou e a muitos que com ela conviveram. Toda vez que sento para escrever um texto, me surpreende o lembrar sobre o quê – minha saudosa avó Alaíde – me diria sobre ele. Continuar lendo “Da nossa humanidade*”

Anúncios

“Uma pessoa que opina, não um robô” – Relatos sobre a educação pública no Rio de Janeiro

Alessandra Maia Terra de Faria*

Respeito mútuo, união, esperança pelo futuro, lutar por uma escola melhor. No último dia 06 de junho de 2016 aconteceu na rua Araújo Porto Alegre, região do centro do Rio de Janeiro, um Ato Público pela valorização do Ensino Médio, na ABI – Associação Brasileira de Imprensa. Continuar lendo ““Uma pessoa que opina, não um robô” – Relatos sobre a educação pública no Rio de Janeiro”

Da pressa, a inimiga da perfeição: Rio cidade olímpica

Alessandra Maia Terra de Faria*

“A pressa é inimiga da perfeição”, “pressa a mãe do tumulto e do erro”. Menções que se tornaram jargões populares tão antigos quanto nossa República, ao serem proferidas por Rui Barbosa[1], em seu famoso parecer sobre a redação do Código Civil de então e sua crítica e oposição à pressa com que o governo redigira a obra, o que pouco depois reforçaria sua impressão em Haia, ao defender a igualdade jurídica. Continuar lendo “Da pressa, a inimiga da perfeição: Rio cidade olímpica”

Nada está solto

Alessandra Maia Terra de Faria*

É perceptível e de fácil constatação aferir que ânimos acirrados e cenário político turbulento caminham juntos, peculiares ao tempo de crise, nacional ou externa. A vida gira em torno de ondas de inflação para uns e de juros negativos para outros. Tempos estes em que grandes nações envidam esforços variados para afastar a estagnação econômica e seus efeitos, são os mesmos nos quais alguns retomam no Brasil a discussão sobre apego ou desapego em relação ao Estado. Continuar lendo “Nada está solto”

WordPress.com.

Acima ↑