Busca

ESCUTA.

Lembranças dos anos 90 – O que fazer quando se está morto?

João Martins Ladeira*

 Os anos 90 despertam um sentimento estranho. Filmes que remetiam ao passado se descobriam, então, inconcebivelmente atuais, num cinema que, embora mais parecesse de outra era, revelava-se tão novo. Era uma época trancafiada entre o ontem e o amanhã, à espera de um dia que ainda talvez chegue, mas não hoje.

Continuar lendo “Lembranças dos anos 90 – O que fazer quando se está morto?”

Anúncios

A intervenção e os mercados criminosos no Rio de Janeiro

André Rodrigues e Andrés del Río*

É preciso dizer, antes de mais nada, que a perspectiva crítica que se adota nessa reflexão breve não procede sob qualquer horizonte no qual haja possibilidades de êxito nessa iniciativa do governo federal de intervenção federal militar no estado do Rio de Janeiro. Continuar lendo “A intervenção e os mercados criminosos no Rio de Janeiro”

Uma questão da moradia: o direito à cidade ou a cidade como negócio

Carlos Procópio*

A disputa pela cidade envolve o antagonismo de narrativas. Por um lado o direito à cidade, onde seus defensores conclamam o acesso aos benefícios da vida urbana. Para eles, a questão da moradia demanda uma lógica de inclusão que transforme a cidade em uma coisa que esteja a serviço das pessoas. Por outro lado, a cidade como negócio, onde seus apoiadores desejam uma vida urbana protegida daquilo que ameaça seus interesses econômicos. Continuar lendo “Uma questão da moradia: o direito à cidade ou a cidade como negócio”

Um velho conhecido apresentado por Arábia

Raquel Lima*

“Eu, Daniel Blake”, de Ken Loach, foi ovacionado com choro e já pouco esperançosos clamores por resistência na sua sessão de estreia durante o Festival de Cinema do Rio de Janeiro, em 2016. Continuar lendo “Um velho conhecido apresentado por Arábia”

The Post, a refundação da América entre quatro paredes

João Martins Ladeira*

É notável a reconstrução do passado em The Post: A Guerra Secreta (The Post, 2017, de Steven Spielberg). Há um cuidado com as máquinas de escrever, telefones, tipos de impressão, roupas e carros que não existem mais. Continuar lendo “The Post, a refundação da América entre quatro paredes”

Memórias da quebrada

Joyce Louback*

Na última década e meia, o Brasil esteve imerso em um processo de consolidação e aprofundamento da democracia que resultou em alguns movimentos importantes, como a redução da miséria, o nascimento de um novo mercado consumidor, o aumento da renda e do crédito, a afirmação de identidades, entre outros aspectos. Continuar lendo “Memórias da quebrada”

A literatura e o seu verdadeiro inimigo: inquietações relativas à figura do autor e da ideia de uma carreira literária

Matheus Vital de Oliveira Mendes*

“Il faut se cacher”, Almeida Faria

O maior inimigo da literatura, diferentemente do feminismo inquisitorial de Vargas Llosa, é, ao meu ver,  a ideia de uma carreira literária, bem como a própria figura imperial do autor na sociedade contemporânea. Continuar lendo “A literatura e o seu verdadeiro inimigo: inquietações relativas à figura do autor e da ideia de uma carreira literária”

IRONIAS NAS MARGENS: EM PEDAÇOS E AS CONTRADIÇÕES DA FACE DE DIANE KRUGER

João Martins Ladeira*

Na carreira de Fatih Akin, Em Pedaços (Aus dem Nichts, 2017) mostrou-se um trabalho intensamente bem sucedido. Vencedor do Globo de Ouro de Melhor Filme Estrangeiro em 2018, já havia rendido a Diane Kruger o prêmio de melhor atriz em Cannes no ano anterior. Dado o caráter da obra, esse reconhecimento soa muito natural. Continuar lendo “IRONIAS NAS MARGENS: EM PEDAÇOS E AS CONTRADIÇÕES DA FACE DE DIANE KRUGER”

O STF e a Democracia

Marjorie C. Marona*

O STF hoje é conhecido de todas e todos. Figuram seus ministros ou o tribunal mesmo como objeto central de diversas matérias jornalísticas. É bem mais comum do que já foi, também, ouvir-se, nos dias que correm, alguma contenda ou debate sobre decisão da Corte ou a posição de algum de seus ministros. Continuar lendo “O STF e a Democracia”

WordPress.com.

Acima ↑