Busca

ESCUTA.

mês

abril 2020

Por uma política que não vista farda, nem toga

Igor Suzano Machado*

Mais uma vez, o Brasil assiste ao protagonismo do judiciário na arena política, com mais um caso de nomeação presidencial bloqueada pela justiça. Desta vez, o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Alexandre de Moraes, impediu que o presente Jair Bolsonaro nomeasse o delegado Alexandre Ramagem para o comando da Polícia Federal. Continuar lendo “Por uma política que não vista farda, nem toga”

Embates midiáticos

João Martins Ladeira*

Na última sexta, Moro e Bolsonaro protagonizaram duas lógicas de confronto, na qual um repete meias verdades enquanto o outro aciona sua acelerador de mentiras. Continuar lendo “Embates midiáticos”

A educação no discurso de Bolsonaro: eixo estruturante da guerra cultural brasileira

Rafael dos Santos Pereira*

Analisei o subdiscurso sobre educação que Jair Bolsonaro fez em meio ao seu pronunciamento no dia 24 de abril de 2020, em resposta às declarações (e acusações) de Sérgio Moro ao se demitir do cargo de Ministro de Estado da Justiça e Segurança Pública no mesmo dia. Refleti sobre a forma de abordagem de Bolsonaro à educação, assunto marginal nesse contexto específico, e concluí que ela reforça a ideia de que a educação é eixo central na guerra cultural que seu governo empreende no Brasil. Continuar lendo “A educação no discurso de Bolsonaro: eixo estruturante da guerra cultural brasileira”

Escola sem máscaras

Rafael Betencourt*

O amor é a emoção central na história evolutiva humana desde o início, e toda ela se dá como uma história em que a conservação de um modo de vida no qual o amor, a aceitação do outro como um legítimo outro na convivência, é uma condição necessária para o desenvolvimento físico, comportamental, psíquico, social e espiritual normal da criança, assim como para a conservação da saúde física, comportamental, psíquica, social e espiritual do adulto. Num sentido estrito, nós, seres humanos, nos originamos no amor e somos dependentes dele. Na vida humana, a maior parte do sofrimento vem da negação do amor: nós, seres humanos, somos filhos do amor”  Humberto Maturana Continuar lendo “Escola sem máscaras”

O pasteleiro e a pandemia – uma história essencial sobre o fim de um trabalho

Raquel Guilherme de Lima*

20h30m – hora de bater palmas para os trabalhadores essenciais da enferma sociedade, enquanto os demais tentam dar conta das suas existências confinadas.

O pasteleiro assiste o JN, admira os médicos, gente estudada que tem um ofício bonito. Não, ele não irá até as janelas bater palmas para os bacharéis transformados em doutores, não tem humor para isso, lhes presta sincera homenagem com um gesto de consentimento. Continuar lendo “O pasteleiro e a pandemia – uma história essencial sobre o fim de um trabalho”

Escuta Aí – A partida do fiador

Jorge Chaloub*

As análises sobre a demissão de Sérgio Moro apontam quase unanimemente para um novo momento no governo Bolsonaro. Em regra, o argumento se concentra na popularidade do ex-juiz, que ao menos rivalizaria, se não ultrapassaria, a do Presidente. Para compreender o impacto dessa decisão, penso, contudo, que devemos ir além e refletirmos sobre o lugar do ex-ministro na coalizão bolsonarista. Vamos ao nosso ponto: Moro era o principal fiador simbólico do governo Bolsonaro. Sem a Lava-Jato, e o judiciarismo que a antecede e ultrapassa, não haveria bolsonarismo tal como o conhecemos[1].

Continuar lendo “Escuta Aí – A partida do fiador”

Escuta Aí – Radicalização do bolsonarismo?

Fernando Perlatto*

O pedido de demissão de Sergio Moro encerra uma fase do governo Bolsonaro. Ainda resta saber se é o seu fim definitivo. Mas aquela configuração inicial, gestada nos escombros do governo Dilma e que havia dado sustentação à sua eleição e à primeira fase do governo – formada pelo tripé militares, empresariado liberal e lava-jatistas – explodiu nos últimos dias. Continuar lendo “Escuta Aí – Radicalização do bolsonarismo?”

Uma pitada de veneno

João Martins Ladeira*

As pretensões autoritárias encontram na cloroquina bolsonarista o elixir de uma rebeldia suicida, num gesto que aponta quais fantasias agregam o grupo.

Continuar lendo “Uma pitada de veneno”

O corpo e a lama

Thaís Tanure *

Era uma noite chuvosa de primavera quando chegamos a Brumadinho. Uma chuva que prenunciava o verão, depois de muitos meses de invernada. As águas molhavam a poeira vermelha na cidade. Havia muitos funcionários e terceirizados da Vale na pousada onde estávamos hospedados. Continuar lendo “O corpo e a lama”

WordPress.com.

Acima ↑